Blog

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

familypositivepsychology

Pequenos empreendimentos e muitas das grandes empresas têm algo em comum, sua origem familiar.

Através da história negócios e família estão intimamente conectados, o fato é, que a continuidade da empresa dependia dos esforços das gerações seguintes.

As empresas familiares representam 2/3 de todo negócio global (PWC – 2016 Family Business Survey), contribuindo com 70%-90% do PIB Global e com 50%-80% dos empregos na maioria dos países. (European Family Business, 2012).

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

evolution-cooperation feature

por Miguel Nisembaum

Pesquisadores da Michigan State University em East Lansing responderam uma pergunta que intrigava os biólogos. Afinal por que os organismos evoluíram para cooperar entre si?

Os benefícios da cooperação a longo prazo ficam claros desde a sobrevivência de um cardume ou manada até a construção de estruturas sociais complexas como colmeias e porque não a nossa sociedade.

A evolução é um processo que normalmente implica em desenvolver pequenas vantagens de curto-prazo em relação a geração anterior.

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

97430257

por Miguel Nisembaum

No hoje assustadoramente longínquo final dos anos 90, foi dado o alerta de que as empresas travariam uma guerra por talentos. 

Dizia-se que o sucesso futuro das organizações dependia da capacidade de atração, desenvolvimento e retenção de colaboradores talentosos. Um ativo que seria cada vez mais valorizado e com alta demanda.

Essa guerra parece ter sido perdida de todos os lados.

Claro que temos colaboradores que contribuem com excelência e trazem resultados importantes para as empresas, mas eles são a exceção.

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

mindful article

por Miguel Nisembaum

A pressão e velocidade do mercado hoje levam as lideranças a serem mais reativas e menos proativas. Existe uma tecnologia milenar que pode contribuir muito para reduzir esta reatividade: Meditação..

Nós pensamos que o nosso processo de tomada de decisão é racional, mas na maioria das vezes nossas emoções e crenças arraigadas são quem nos fazem buscar os dados e informações para selar aquilo que já havíamos decidido. O que chamamos de viés cognitivo.

Isso contribui para uma série de erros cognitivos que podem trazer um impacto negativo em nossas decisões.

Esse viés vem de várias fontes: do excesso de informação, do pouco questionamento da informação recebida, da influência do pensamento de grupo, da confirmação de conceitos já estabelecidos em nossa mente, e finalmente da falta ou do excesso de confiança em nós mesmos.

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

hobbytrabalho1

por Miguel Nisembaum.

Se a grande maioria de nossas escolhas profissionais acontecessem como quando escolhemos um hobby seriamos mais felizes e produtivos.

Alguns elementos para fazer uma boa escolha de um hobby e por que não dos próximos desafios do trabalho.

1-Interesses:

 

O ambiente, é sem dúvida um fator que pode contribuir para essa escolha.

Se desde cedo tenho acesso e exposição a uma variedade de temas consigo ampliar meu repertório de escolha. (Várias modalidades de esporte, exposição a natureza, literatura, cinema, conhecimentos gerais, quadrinhos, games, diferentes estilos de música, culturas e realidades sociais).

Interesses aparentemente desconexos além de ampliar conhecimento podem contribuir positivamente para abertura a novas experiencias e criatividade. Segundo Scott Barry Kaufman pesquisador da University of Pennsylvania a abertura a novas ideias e experiencias contribui para resultados mais criativos.