Blog

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

boatstorm

Imagine uma tripulação de um barco que está principalmente concentrada em garantir que ele não afunde, todos de lá para cá com seus baldes jogando a água fora do barco. Enquanto isso velas, motor, aquilo que poderia afastar a embarcação da tempestade e leva-la a bom porto ficam esquecidos.

Na época que vivemos, muitas empresas montam os seus planejamentos estratégicos, com todas as ressalvas que a situação impõe.

Afinal, vivemos em tempos onde a vulnerabilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade (VUCA) imperam.

O método tradicional utilizado pela grande maioria das empresas ao estabelecer um plano estratégico é famosa Matriz SWOT (Fortalezas, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças).

O problema é que esta Matriz acaba reforçando um traço cultural que é a concentração de energia gasta em olhar o que nos falta e o que nos ameaça, somos treinados a ter esse olhar desde pequenos, já que o sistema escolar ainda segue este modelo.

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 capasm

O ritual anual de avaliação de desempenho é doloroso, por obrigar gestores a ranquear a performance, rotular e dar um número para tudo isso.

Tanto líderes quanto  colaboradores consideram esse processo demorado, subjetivo, desmotivador e não trazem  informações relevantes para a empresa. Contribuindo pouco ou quase nada para melhorar a performance dos colaboradores e podendo até ter o efeito contrário, minando o engajamento das pessoas.

De acordo com pesquisa feita em 2014 pela consultoria Brandon Hall, 70% das companhias afirmam que a sua gestão de performance é mediana ou abaixo da média e mais de 60% gostariam de implantar um sistema contínuo de gestão de performance. Isto não é novidade, mas hoje com o ambiente dinâmico e instável em que vivemos estes fatos ficam mais evidentes.

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

zumbi1

por Miguel Nisembaum 

Estar de corpo presente, desengajado ou até agindo de forma ativamente tóxica em uma organização, tem um impacto enorme individualmente, nas equipes e na organização como um todo. É contagioso e pode ser uma epidemia séria.

O fato é que isto já pode ser considerado uma epidemia global, 63% dos trabalhadores estão desengajados resultado de pesquisa feita pela Gallup.

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

lidercompblog

As pessoas estão buscando líderes em todos os níveis da organização e não só no topo.

É o que revela uma nova pesquisa sobre liderança realizada pela Ketchum (empresa global de comunicação com presença em 70 país em 6 continentes).

A pesquisa contou com 6000 participantes em 12 países, destes 41% acreditam que a liderança deve vir da organização e de todos seus colaboradores, e apenas 25% acreditam que a liderança dever vir somente do CEO.

Avaliação do Usuário: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

 

por Miguel Nisembaum 

Dacher Keltner especialista no estudo de emoções foi consultor técnico no novo filme da Pixar – Inside Out – em português traduzido para Divertida Mente.

Identificar e lidar com emoções negativas não é algo fácil seja você criança ou adulto. 

Keltner afirma que o filme inova em apresentar como as emoções interagem uma com as outras e como podem trabalhar em conjunto para resolver uma situação. Nesse sentido um filme como esse dá elementos para que as pessoas aceitem essa interação e composição.